quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Straight Edge

Como o prometido é devido, cá vai um post sobre o que é o Straight Edge.

Straight Edge (abreviando: sXe) é igual a não beber, não fumar e não consumir drogas… ERRADO! Senão a minha avó (e acho que quase todas as vossas avós) era a maior sXe do mundo.

Para uma melhor percepção deste assunto é preciso voltar 30 anos atrás no tempo, altura em que o movimento Punk estava em alta, uma subcultura que era contra o sistema e a sociedade, que nos impunha (e ainda impõe, se bem que hoje em dia as coisas já começam a ser completamente diferentes) regras em que as pessoas passavam a perder a identidade e a misturar-se na multidão para serem “apenas mais uma pessoa”. O que caracterizava o movimento Punk? O hedonismo e a auto-destruição. O abuso de drogas e álcool, o sexo promíscuo tirava-lhes qualquer credibilidade, embora conseguissem cativar as pessoas com as suas letras de intervenção cheias de mensagens politicas contra-sistema.
Ora, por volta de 1979/80 nasceu uma banda chamada Teen Idles no centro da cena Punk de Washington. Os membros da banda eram todos menores de idade e por isso mesmo não tinham idade legal para frequentar os concertos Punk, embora nem eles mesmo quisessem beber ou fumar e não consideravam a atitude niilista do movimento como uma obrigação. Detestavam o que o abuso de tais substancias faziam: concertos interditos a menores de idade por se vender álcool, as confusões causadas pelas pessoas alteradas, pessoas talentosas e inteligentes que morriam devido aos excessos, todas essas coisas! Fazia muito mais sentido que a atitude DIY do Punk (do it yourself = faça você mesmo) se caracterizasse por uma pessoa consciente e em controlo de si mesma.
Após a banda se ter formado, começaram a reunir cada vez mais pessoas que partilhavam da mesma opinião. Quando, um dia, estavam a fazer a capa para o primeiro e único álbum da banda, o baterista Jeff Nelson pegou num esquadro (Straight Edge em inglês) e comparou os ângulos rectos e austeros, com linhas direitas, á mentalidade firme que eles tinham, apelidando então toda aquela turma que se formou á volta da banda de “Straight Edge Punks”.
Com isto, nasceu como símbolo do Straight Edge o tão famoso X. Teen Idles fizeram uma viagem á Califórnia e tocaram dois concertos, em L.A. e São Francisco. Neste segundo sitio, para deixarem entrar menores de idade, marcavam o topo das mãos dos menores com um X para o barman os identificar e não lhes vender álcool. A banda achou a ideia engraçada e decidiram leva-la para Washington. Como ironia, pessoal com mais de 18 anos que também não queriam beber começaram a marcar as mãos com um X como solidariedade para quem era discriminado apenas por ser menor de idade. Desde aí pode-se ver o X em tatuagens, em nomes de bandas, camisolas, etc. (Normalmente até se mete XXX que como no porn, significa a vertente mais hardcore do movimento).

Em finais de 1980 a banda terminou e Jeff Nelson juntamente com Ian Mckay (outro membro dos Teen Idles) formaram os Minor Threat (diz-se por aí que queriam chamar á banda Straight Edge mas que os restantes membros não aceitaram) e elevaram o Straight Edge a um novo conceito, principalmente devido a uma música no álbum com o mesmo nome:



I'm a person just like you
But I've got better things to do
Than sit around and fuck my head
Hang out with the living dead
Snort white shit up my nose
Pass out at the shows
I don't even think about speed
That's something I just don't need

I've got the straight edge

I'm a person just like you
But I've got better things to do
Than sit around and smoke dope
'Cause I know I can cope
Laugh at the thought of eating ludes
Laugh at the thought of sniffing glue
Always gonna keep in touch
Never want to use a crutch

I've got the straight edge


Após este primeiro álbum de Minor Threat começaram a aparecer bandas com os mesmos ideais, não só na zona de Washington como um pouco por toda a América, mas em vez de serem consideradas como Punk, tinham a definição de Punk/Hardcore devido as letras ainda mais extremistas e um som mais rápido e muitas vezes com letras berradas. Entre 1980 e 1984 surgiram nomes que iriam ficar gravados para sempre no movimento Straight Edge tais como: SOA (Washington), SS Decontrol, DYS (ambas de Boston), 7 Seconds, Uniform Choice (ambas da costa oeste).
O movimento estagnou um pouco em 84, e em 1985 surgiu uma banda que deu um novo impulso ao sXe, tornou-o naquilo que é hoje em dia: um estilo/filosofia de vida levada a sério por todos os que se dizem sXe. (o próprio Ian Mckay diz que nunca pensaria na altura que as coisas tivessem esta proporção e que quando ele escreveu aquelas letras a falar sobre sobriedade era apenas contra o abuso de substancias nocivas, mas que nunca disse para nunca na vida beberem uma cerveja. Claro que as coisas evoluem e hoje em dia não é bem assim). Essa banda é Youth Of Today e o álbum que mudou tudo é o Can’t Close My Eyes com letras sobre a sociedade, a cena hardcore e também e principalmente o sXe:



Youth of Today - Youth Crew

Me you youth crew!
If the world was flat I'd grind the edge
To the positive youth my heart I pledge
X on my hand now take the oath
To positive youth to positive growth
To positive minds, to pure clean souls
These will be all my goals
Walk with me and my crew
There is so much shit we can do
And we won't stop until we're through

Nasceu um movimento então chamado de Youth Crew (literalmente em português: grupo dos jovens) e com este movimento nasceram bandas que se tornariam nos alicerces do tal movimento que impulsionou o sXe pelos Estados Unidos fora. Bandas como Gorilla Biscuits (por muitos considerada a melhor banda da era 1985-1990), Judge, Bold, Chain Of Strength, Slapshot, Project X. Muitas das bandas (tal como Youth Of Today) falavam também sobre vegetarianismo/veganismo, e embora sejam coisas diferentes, penso que ser vegetariano é uma evolução natural do Straight Edge, já que este representa respeito por tudo o que nos rodeia. Mas erradamente muita gente pensa que Straight Edge é igual a vegetarianismo.

Não vale a pena continuar a falar das fases de bandas sXe (tal como o metal-core, a segunda fase do Youth Crew entre 1995-2000). Este post é direccionado somente para o sXe e assim vai continuar, achei importante dar a conhecer um pouco do hardcore também pois sXe sem dúvida que é hardcore (o contrario já não) e sem o mesmo não poderia existir.

Ora então, resumindo, o que é o Straight Edge?

Ao longo dos anos o Straight Edge foi ganhando adeptos e como tal cada um, como individuo, adopta o sXe conforme as suas experiencias de vida (o que cá em Pt é uma coisa, nos Estados Unidos pode ser outra por exemplo). O sXe não é dogmático, mas também não é a festa da esquina em que qualquer um faz o que quer e lhe apetece e é sXe quando lhe apetece e depois já não é, e depois já volta a ser de novo. Uns dizem que tem que ser vegetariano (a meu ver é uma evolução natural), mas existem muitos que comem carne. Ah, e não esquecendo a religião dentro do movimento, isso já é uma escolha pessoal, cada um sabe naquilo em que a sua fé se baseia. Straight Edge é ser livre de drogas, álcool, tabaco ou qualquer outra coisa que nos torne a vida num estado vegetativo (ás vezes até a televisão ou a internet são piores que muitas drogas). É ser revolucionário sem ser preciso andar alterado para nos fazermos ouvir. Tomar controlo das nossas vidas e do nosso ser, ter respeito pelo próximo e por tudo o que nos rodeia. É estar dentro do movimento Hardcore e fazer alguma coisa por isso: ir aos concertos, organizar concertos, lançar uma zine, fazer uma editora, ter uma banda…. Ser uma pessoa activa! Daí eu dizer muitas vezes que Straight Edge é Hardcore. (por isso esse pessoal que já não vai a concertos e ainda se diz sXe… eh pah… tenham paciência, são tão sXe’s como os que apanham pielas e mocas ás escondidas, lembrem-se que o hardcore não se faz em casa ou atrás de um computador).


Todos nós temos o direito de nos sentirmos bem, bebendo ou fumando ou sendo sXe, desde que haja respeito, o sXe apenas contesta o facto de que não é preciso fumar ou beber para ser rebelde e popular.

5 comentários:

Armando Sena disse...

Que fixe, sempre a aprender. Será que o movimento cresceu e levou à sigla XXL?
Um abraço.
Armando Sena

LiMpA_ViAs disse...

Curti de ler este teu texto Leo ;) Gosto quando pessoal que está dentro do assunto e o vive expõe as suas ideias.

Leandro Afonso disse...

Caro Armando, esse comentario sobre o XXL fez o meu dia! aahhahahahaahah ri-me muito!

vanessa disse...

leonardo!
fogo voce ja esta muito à frente no walking dead,eu ainda vou no sexto episodio ahaha.
the walking dead são zombies, apesar de eles nunca falarem nessa palavra na série um zombie é alguém infectado com a tal bactéria, portanto vai tudo dar ao mesmo ahaha.
beijinho

HR disse...

Bom texto! Grandes bandas.